Um membro da milícia Unidades de Mobilização Popular, patrocinada pelo Irã e que atua no Iraque, afirmou em um vídeo que o país não é para “homossexuais imundos” ou “militantes” e que sua organização eliminará os apoiadores do governo.

O vídeo foi postado nesta quinta-feira (16) pelo Instituto de Pesquisa de Mídia do Oriente Médio (MEMRI) revelando o discurso ameaçador de Ali Al-Husseini.

“O Iraque não é um país para militância, gangues, espiões ou homossexuais”, disse ele, segundo a tradução do MEMRI.

“Todo dia eu ouço você chamar as pessoas de imundas.

[Mas] vocês são os imundos! Suas famílias são imundas; Vocês são os imundos! Suas famílias são imundas.

 Você foi criado na imundície”, disse.

Ele também acusou o partido política Baath, além de afirmar que os integrantes do partido são pró-Saddam, o antigo ditador morto em 2003.

“Inshallah [se Deus quiser], quando formos às praças para as manifestações, com um milhão de homens, terminaremos tudo isso”, ameaçou.

Ele continuou, dizendo: “Se Alá quiser, fecharemos as praças [de manifestantes antigovernamentais] de prostituição, humilhação, Coringa [gangues], espiões, escândalo e humilhação.

Nossa praça é a praça da resistência, heróis, mujahideen [jihadistas] e rejeição dos ocupantes.

Inshallah, devemos eliminá-los e expulsá-los do Iraque, pelo poder de Deus, pela família do Profeta, pelos mujahideen e pelo eixo da resistência”.

Segundo o MEMRI, o vídeo foi divulgado na Internet , antes de uma manifestação planejada contra o governo iraquiano e as forças dos Estados Unidos no Iraque.